O primeiro-ministro António Costa e o antigo presidente da república Jorge Sampaio estiveram com Yasser Ammen, um dos dois cidadãos iraquianos detidos por suspeitas de pertencerem ao Estado Islâmico, em Lisboa.

A 30 de janeiro de 2018, os dois visitaram o restaurante Mezze, um projeto da Associação Pão a Pão, que promove a integração de refugiados na sociedade portuguesa.

Também o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve no mesmo restaurante, uns meses mais tarde, em junho, num almoço diplomático.

Visitas que ocorreram quando Yasser, bem como o irmão Ammar, estavam já a ser investigados pela unidade de contraterrorismo da Polícia Judiciária. Os dois iraquianos estavam, inclusive, sob vigilância das autoridades desde que chegaram a Portugal, em 2017, vindos da Grécia.

A visita de Marcelo ao Mezze ocorreu, concretamente, a 7 de junho de 2018. E o chefe de Estado não estava sozinho. 

O Presidente da República ofereceu, no restaurante Mezze, em Lisboa, um almoço aos Embaixadores dos Estados-membros da União Europeia (UE) e dos países candidatos acreditados em Portugal. No início do almoço usaram da palavra o Presidente da República e o Embaixador da República da Bulgária em Lisboa, Embaixador Vassiliy Christov Takev, país que ocupa atualmente a Presidência do Conselho da União Europeia, e que falou em nome dos Embaixadores presentes", descreveu a Presidência, em comunicado divulgado no seu site.

Os dois iraquianos, detidos pela Unidade Nacional de Contraterrorismo no passado dia 1 de setembro, na Grande Lisboa, tinham pedido asilo a Portugal por razões humanitárias.

No despacho de indiciação, o Ministério Público afirma que os dois irmãos tinham plena consciência das funções que desempenhavam ao serviço do Estado Islâmico, apresentando vídeos e fotografias entre as provas.