«É com muita preocupação que eu vi esta semana, depois de uma polémica com o Instituto Nacional de Estatística sobre a redução do número de camas nos hospitais públicos, o Governo vir explicar que essa redução não resulta de uma diminuição da despesa, mas simplesmente da transferência da despesa dos hospitais públicos para os hospitais privados, como se o SNS não necessitasse de uma intervenção constante, de um investimento sustentado no serviço público do SNS.»




«Foi a continuidade de políticas que permitiu obter os excelentes resultados que o SNS tem obtido - veja-se o caso da saúde materno-infantil - e que teria sido absolutamente impossível se durante décadas sucessivos governos não tivessem trabalhado para um fim comum», defendeu.