António Costa, que se encontra em visita de Estado à Índia, comunicou ao país, pouco depois da morte de Mário Soares, que não estaria presente nas cerimónias fúnebres do antigo Presidente da República. Este domingo, o primeiro-ministro voltou a fazê-lo, por duas vezes, uma delas no Twitter.

Apesar das justificações do primeiro-ministro, houve quem o criticasse por não estar presente, como foi o caso de Carlos Abreu, do PSD, que reprovou a ausência de Costa no funeral "da maior figura do seu partido e a quem deve o facto de hoje liderar o PS".

No entanto, as críticas não se ficaram por aqui e, para além do Twitter ter sido inundado por mensagens, o jornal ABC escreveu que há "Polémica em Portugal" por o "primeiro-ministro não assistir ao funeral de Mário Soares".

"O líder socialista limita-se a enviar um vídeo, mas não interrompe a sua viagem à Índia", pode ler-se.

Já no Twitter, entre muitos que defendem o primeiro-ministro por continuar a visita de Estado, há mesmo quem pergunte se isso "é a sério".

Durante a manhã, António Costa já tinha justificado a sua ausência do funeral do antigo Presidente da República, dizendo que "se fosse uma questão pessoal, faria aquilo que todos os amigos do dr. Mário Soares querem fazer, que é prestar-lhe pessoalmente a sua última homenagem, poder dar um abraço ao vivo aos seus filhos Isabel e João". 

Para colmatar a sua ausência, nas cerimónias fúnebres, será transmitida uma mensagem vídeo de António Costa que, "como chefe do Governo", não deixará de fazer a sua "intervenção do Mosteiro dos Jerónimos, assegurando, naturalmente, que o funeral de Estado que o Governo decretou decorrerá com tudo aquilo que se exige".

Agora, embora a viagem de Estado de António Costa se mantenha, "os momentos menos formais da visita" vão ser "eliminados". Hoje, em Bangalore, onde o chefe de Governo se encontra, cumpriu-se um minuto de silêncio em memória de Soares.