recondução do governador do Banco de Portugal

"Devo dizer que, depois do que se tem passado ao longo dos últimos anos, não posso dizer que esteja propriamente surpreendido, mas tenho que dizer que estou profundamente desagradado e acho que é um mau sinal da forma como as nossas instituições estão a funcionar", enfatizou, acrescentando que "o PS não foi consultado nem ouvido sobre a escolha que o Governo hoje fez para o futuro Governador do Banco de Portugal".



"O Governo entendeu, e a pessoa indigitada pelos vistos também, que bastava uma decisão de uma maioria em fim de mandato para que essa decisão fosse tomada".



"Eu tenho por regra que as conversas privadas são conversas privadas. A única coisa que tenho a confirmar é que o PS não foi consultado, o PS não foi ouvido sobre a escolha que o Governo fez".



"Sobretudo depois de vários anos onde os portugueses estão bem cientes da necessidade de reforçar a credibilidade, a isenção, a imparcialidade, o rigor da autoridade reguladora. E isso significa que nós temos que reforçar a credibilidade de instituições como o Banco de Portugal porque obviamente é importante que o mercado funcione mas é indispensável que o mercado funcione regulado".





"É também um mau sinal esta aposta na manutenção de uma regulação que manifestamente não deu bons sinais e que julgamos que não é um sinal que reforce a confiança que os portugueses exigem ter nas instituições reguladoras em Portugal".