O primeiro-ministro advertiu esta sexta-feira que a União Europeia corre o risco de acabar se não enfrentar corretamente os efeitos económicos e sociais da pandemia de Covid-19, sublinhando que "a prioridade das prioridades é salvar vidas".

A União Europeia ou faz o que tem de fazer ou a União Europeia acabará. Acho que só as pessoas que não têm a menor sensibilidade ou a menor compreensão do que é esta realidade dramática que estamos neste momento a enfrentar - perante dramas como o da Itália ou da Espanha, e em todos os países e na Holanda também - é que é possível dizerem que é preciso ir saber porque é que a Itália e a Espanha não têm condições orçamentais para enfrentar estas situações", frisou António Costa.

O chefe do executivo português reiterou assim as críticas que já tinha dirigido na quinta-feira, no final do Conselho Europeu, ao ministro das Finanças holandês por ter defendido que a Comissão Europeia devia investigar porque não tem a Itália ou a Espanha margem orçamental para lidar com os efeitos da crise do novo coronavírus.

A última coisa que qualquer político responsável pode fazer neste cenário é não compreender que a prioridade das prioridades é salvar vidas e combater este vírus, é criar condições para tão rapidamente quanto possível as empresas poderem funcionar, os empregos voltarem a ser seguros, as famílias poderem voltar a ter rendimentos. Só assim é que as finanças públicas são sustentáveis", acentuou.

António Costa, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao CEiiA - Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel em Matosinhos, no distrito do Porto, reafirmou que considera "repugnante determinados raciocínios", referindo-se ao facto de Wopke Hoekstra ter afirmado numa videoconferência com homólogos dos 27 países da União Europeia (UE) que a Comissão Europeia devia investigar países como Espanha, que afirmam não ter margem orçamental para lidar com os efeitos da crise provocada pelo novo coronavírus, apesar de a zona euro estar a crescer há sete anos consecutivos.

O primeiro-ministro defendeu que "não há país da UE que esteja preparado à partida para enfrentar situações com esta dimensão", desafiando: "É preciso não ter a noção do que é viver num mercado interno como aquele em que nós vivemos para alguém poder ter a ilusão de que consegue resolver o problema da pandemia na Holanda se a pandemia se continuar a generalizar na Itália ou em Espanha ou em qualquer outro sítio. Vivemos num mercado de fronteiras abertas", lembrou.

António Costa disse que "não há finanças públicas saudáveis com economias mortas, pessoas no desemprego e colapsos no sistema de saúde", referindo que "isso são ficções dos manuais neoliberais, mas que não existem" e apontou que "um ministro das Finanças, seja de que país for, tem de compreender muito bem as prioridades".

E quem quer estar numa UE a 27 tem de perceber que estar numa união não é viver em isolamento, por si só, é partilhar com os outros as dificuldades e as vantagens. Um ministro das Finanças que mais beneficia com a existência de um mercado interno e com a existência da zona euro, devia ser dos primeiros a perceber que num espírito de união estamos cá para nos apoiar uns aos outros".

Visivelmente desagradado com o tema, António Costa, que esteve em Matosinhos acompanhado do ministro da Economia, bem como com o do Ensino Superior, recordou que Portugal "mesmo quando estava numa grave crise económica" foi, disse, "dos primeiros a acolher migrantes e refugiados" porque tinha "parceiros na Europa que viviam uma grave crise migratória".

E esta é, modéstia à parte, a boa forma de estar na UE", sublinhou.

Para Costa, "a boa forma de estar na UE não é repetir o comportamento de 2008 e 2009" porque, frisou, além das "trágicas consequências económicas" a "agravante agora" é que além de "salvar a economia e o emprego" em causa está "salvar vidas humanas".

Costa agradece à indústria e à investigação por ajudarem a “equipar melhor”

O primeiro-ministro agradeceu ainda à indústria e aos centros de investigação o contributo para "equipar melhor" quem está "na linha da frente" do combate à Covid-19 e a ajuda na criação de recursos como ventiladores para ajudar doentes.

Estão a fazer um esforço ativo para nos ajudarem a enfrentar esta pandemia. E estão a demonstrar que ainda bem que investimos na formação e no desenvolvimento tecnológico e científico porque nestes momentos críticos essa capacidade e esse conhecimento têm múltiplas aplicações", referiu António Costa.

O chefe de Governo falava em Matosinhos, no distrito do Porto, ao lado dos ministros da Economia e do Ensino Superior, onde foi visitar o CEiiA - Centro para a Excelência e Inovação na Indústria Automóvel, local onde está a ser desenvolvido um protótipo de ventilador pulmonar que a equipa responsável espera ter pronto na próxima semana.

O projeto chama-se "Atena" - numa alusão à deusa grega - e está a envolver o CEiiA, a comunidade médica e a indústria.

De acordo com o presidente do CEiiA, José Rui Felizardo, o objetivo é ter 100 ventiladores prontos até ao final de abril, 400 até maio e 10.000 em seis meses.

Já à margem da visita, quando questionado sobre se tem prevista a chegada de mais material de proteção individual ao país, o primeiro-ministro disse apenas que "há um fluxo constante de aquisição de material da mais diversa natureza".

Sobre ventiladores, António Costa apontou que "essa aquisição é uma batalha que a nível mundial todos travam para conseguir chegar primeiro ao fornecedor", voltando a elogiar o projeto do CEiiA e um ventilador pulmonar que está em fase de prototipagem.

É necessário reforçar a capacidade que temos tendo em conta que para além da estrutura tradicional nos hospitais tradicionais, podemos ter de vir a recorrer aos hospitais de campanha que estão a ser montados e onde temos de multiplicar muito a disponibilidade de ventiladores", referiu.

O primeiro-ministro disse ainda, mas sem especificar valores ou datas, que "há um processo de aquisição em curso por parte do Serviço Nacional de Saúde" e "muitos [ventiladores] adquiridos ou doados que estão em viagem para chegar nas próximas horas".

/ CE - Atualizada às 18:29