O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou-se solidário com os familiares das vítimas da explosão numa fábrica de pirotecnia em Avões, Lamego, que provocou quatro vítimas mortais, e expressou "sentidas condolências".

O Presidente da República dirige as suas mais sentidas condolências a todos os familiares e amigos das vítimas da explosão que ocorreu, hoje, num paiol de uma fábrica de pirotecnia em Avões, no concelho de Lamego", lê-se numa nota publicada na página da Presidência da República.

A mesma nota indica que Marcelo Rebelo de Sousa irá deslocar-se quarta-feira ao local da explosão, no norte do distrito de Viseu.

Também o primeiro-ministro, que está numa visita oficial no Luxemburgo, telefonou esta terça-feira ao presidente da Câmara de Lamego para endereçar as suas condolências às famílias das vitimas.

Fonte oficial do gabinete do primeiro-ministro adiantou à agência Lusa que, nessa conversa telefónica, António Costa disponiblizou-se "para o que fosse preciso" junto do presidente da autarquia.

 

Na conversa telefónica, segundo a fonte, António Costa referiu que o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, já está a caminho do local do acidente, que provocou, segundo os mais recentes dados oficiais, quatro e quatro desaparecidos, estando cerca das 20:30 ainda a acontecer deflagrações.

Fonte do gabinete do secretário e Estado disse à Lusa que Jorge Gomes deverão chegar a Avões cerca das 22:30.

Quatro pessoas morreram na sequência de várias explosões numa fábrica de pirotecnia e quatro outras estão desaparecidas, segundo fonte da Câmara de Lamego, que considerou a esperança de encontrar com vida os desparecidos "é muito diminuta".

A Polícia Judiciária já foi chamada a investigar as várias explosões, disse fonte da GNR.

O presidente da Câmara de Lamego, Francisco Lopes, caracterizou hoje de “enorme tragédia” os mortos decorrentes de várias explosões numa fábrica em Avões, naquele concelho.

Francisco Lopes recordou ainda que o histórico dos incidentes em fábricas de pirotecnia "é conhecido”, mas explicou que com esta dimensão de mortos não há memória.

De acordo com página da Proteção Civil, estão no local dois helicópteros do INEM, 121 bombeiros e 40 viaturas.

O alerta para o incidente chegou ao Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu às 17:48.

Fonte da Câmara de Lamego disse à Lusa que a fábrica é uma unidade industrial pequena, de origem familiar.