O primeiro-ministro desvalorizou este sábado as declarações do líder do PSD sobre uma alegada intenção do Governo de “deitar a mão” às reservas de dinheiro do Banco de Portugal, afirmando que Passos Coelho não tem mandato para representar o executivo.

Na conferência de imprensa no final de um Conselho Europeu, António Costa foi questionado sobre as declarações da véspera de Pedro Passos Coelho. O líder do PSD acusou o Executivo socialista de se preparar para “ir deitar a mão às reservas, ao dinheiro que está no Banco de Portugal para, como medida extraordinária, ajudar a compor os números do défice".

António Costa disse não perceber sequer a questão, mas “lembrou” que o líder do PSD já não está no Governo.

Ouvi o líder do PSD dizer isso. Mas creio que ele já não está no Governo e, portanto, não creio que alguém lhe tenha passado mandato para representar o Governo em qualquer tipo de anúncio sobre essa matéria”, afirmou António Costa.

Na sexta-feira, falando aos jornalistas em Beja sobre o relatório do grupo de trabalho formado pelo PS e pelo Bloco de Esquerda sobre a sustentabilidade da dívida portuguesa, Passos Coelho argumentou que "aquilo que é perigoso é ir simplesmente deitar a mão às reservas do Banco de Portugal, que já se percebeu que é isso que o PS e o BE querem".