O presidente do PSD, Rui Rio, respondeu este sábado a parte das críticas de António Costa via Twitter, insistindo que o Chega não irá integrar o Governo Regional dos Açores e voltando a acusar os socialistas de mentir.

Rio respondeu, em concreto, às críticas do secretário-geral socialista que o acusou de se ter afastado “dos bons exemplos da chanceler Angela Merkel na Alemanha, que recusou liminarmente qualquer acordo com a extrema-direita na formação de governos regionais” ou do Partido Popular (PP) de Espanha, que rejeitou “juntar-se à extrema-direita na votação de uma moção de censura".

A verdade: Merkel recusou a Afd nos Governos regionais, tal como o Chega que não vai para o Governo dos Açores. O PP espanhol tem entendimentos parlamentares com o Vox em três regiões autónomas: Madrid, Andaluzia e Múrcia”, referiu Rio, na publicação mais recente que fez no Twitter sobre esta matéria, e na qual partilha uma notícia com as críticas de António Costa.

Tal como já tinha feito em relação a declarações de sexta-feira do secretário-geral adjunto, José Luís Carneiro, Rio reiterou que “o PS continua a mentir”.

Tudo lhe está a correr mal”, conclui.

O secretário-geral do PS considerou hoje que o PSD "ultrapassou a linha vermelha" ao ter um acordo com o Chega para a viabilização de um Governo nos Açores e defendeu que Rui Rio deve explicações ao país.

A Comissão Nacional do PS salienta o facto da maior gravidade que constitui o PSD ter ultrapassado a linha vermelha de toda a direita europeia democrática ao celebrar um acordo com um partido de extrema-direita xenófoba”, criticou António Costa, no final da reunião partidária.

Para o secretário-geral do PS, "independentemente daquilo que diga o acordo que é mantido secreto, o simples facto de ter havido um acordo entre um partido de direita democrática e extrema-direita xenófoba é em si próprio da maior gravidade".

A normalização da extrema-direita xenófoba é abrir a porta aos inimigos da democracia e nunca se pode esquecer que, quem é xenófobo, ofende o princípio basilar da igualdade da pessoa humana", disse Costa.

Ventura exige pedido de desculpa

O líder do Chega, André Ventura, exigiu um pedido de desculpa ao secretário-geral do PS por este ter dito que o PSD celebrou um acordo com “um partido de extrema-direita xenófoba” para viabilizar um Governo nos Açores.

O Chega é um partido democrático, foi eleito para o parlamento e para o parlamento dos Açores, todas as sondagens o colocam como terceira ou quarta força política nacional, é um partido legalizado pelo Tribunal Constitucional. É lamentável que um primeiro-ministro se refira a ele como xenófobo e de extrema-direita”, afirmou à agência Lusa, em Viseu, onde hoje participou num jantar-comício da sua candidatura às eleições presidenciais.

André Ventura disse esperar que o secretário-geral do PS, António Costa, “peça desculpa por estas declarações, durante o fim de semana ainda, porque vai ter oportunidade de o fazer”.

Caso contrário, nós próprios, no parlamento, vamos levantar esta questão perante o presidente da Assembleia da República, porque ultrapassaram-se aqui linhas de diálogo e de convívio democrático”, avançou.

Na sua opinião, “o PS, quando começa a perder o poder, revela o caráter que tem” e as declarações feitas hoje por António Costa no final da Comissão Nacional do PS foram “mais um exemplo”.

O presidente do Chega considerou que o PS esperava “que a direita nunca se conseguisse entender”, mas já percebeu que não é assim com o que se passou nos Açores.

Eu percebo a indignação de António Costa, percebo o medo que ele tem dos próximos meses, talvez dos próximos anos, mas este é um caminho que já não tem retorno: a direita vai chegar ao poder pela mão do Chega também em Portugal (continental) e o compadrio socialista vai acabar”, frisou.

Para André Ventura, as declarações de António Costa traçam “uma linha vermelha entre aquilo que é o convívio entre partidos”, sendo o pedido de desculpa importante para garantir que não se resvala “para um nível de agressividade sem limite”, que “não seria bom para a democracia”, sobretudo a poucos meses das eleições presidenciais.

O líder do Chega lamentou também a forma como António Costa se referiu à sua candidatura, “pedindo ao PS uma vitória indubitável sobre a candidatura da extrema-direita xenófoba”.

Tivemos uma sondagem há uma semana ou duas em que eu estava em segundo lugar com 11%. Dizer isto é dizer que 11% dos portugueses são xenófobos e de extrema direita”, considerou.

André Ventura disse ver com “muita curiosidade” que uma pessoa “que não aceitou perder as eleições em 2015, e se juntou a dois partidos que rejeitam a União Europeia e a maior parte dos valores civilizacionais que o PS de Mário Soares defendeu, agora se preocupe com um acordo nos Açores, precisamente para retirar o PS do poder que tem há mais de 20 anos”.

“O Chega e o PSD deram um passo importante para retirar o PS do Governo dos Açores”, afirmou, ironizando que é possível que o desemprego aumente, “sobretudo o desemprego socialista”, porque “os tachos vão acabar, os amigos a fazer negócios com o Governo regional vão acabar”.

Eu percebo que o PS esteja incomodado com isto, mas tem que se habituar que vêm aí novos tempos”, sublinhou.

Morais Sarmento rejeita acordo

O vice-presidente social-democrata Morais Sarmento rejeitou a existência de qualquer acordo nacional entre PSD e Chega para a viabilização do governo nos Açores e insistiu que a solução "só compromete" os partidos “em termos regionais”.

O vice-presidente do PSD acusou o secretário-geral do PS e primeiro-ministro de “desorientação” e disse que António Costa “sabe” que “não é verdade” que haja algum entendimento nacional com o Chega, partido de extrema-direita liderado por André Ventura.

Em declarações à TVI, Nuno Morais Sarmento frisou que, na perspetiva da direção do PSD, “estes entendimentos foram em exclusivo pelo PSD regional”.

“Nós levamos a autonomia a sério. No entendimento do PSD nacional o que há é uma plataforma política com o PSD, CDS e o PPM” que serão os responsáveis por apresentar um programa de governo.

“Essa é a plataforma que será responsável pela condução da política” governativa e por apresentar o programa de governo e, considerou, “era normal que o Chega e a Iniciativa Liberal viabilizassem um governo de direita”.

O PSD não tem nem nunca teve qualquer entendimento com partidos de extremos, ao contrário do PS”, frisou.

Questionado sobre se considera que o presidente do PSD, Rui Rio, deve explicações ao país, como defendeu o secretário-geral do PS, Morais Sarmento respondeu: “as explicações que o dr. Rui Rio teria que dar são aquelas que eu estou aqui a dar em nome do PSD”.

Interrogado sobre se considera que o Chega é um partido xenófobo, Morais Sarmento disse que o Chega é um partido político "que tem posições xenófobas".

/ AG