O primeiro-ministro, que esta segunda-feira terminou o isolamento profilático após o contacto com um caso positivo de covid-19, afirmou que é preciso “aceitar a opinião dos técnicos” sobre as instruções a seguir mesmo para pessoas com a vacinação completa, acreditando que o seu exemplo de atuação "preventiva" das autoridades de saúde está a ser seguido por todos.

“Se fiquei feliz de estar mais 10 dias confinado? Claro que não. Mas percebo qual é o racional. As vacinas garantem uma proteção, mas não a 100%.”

António Costa deseja que o seu caso não sirva para criar dúvidas sobre o processo de vacinação e afirmou que "presume" que as instruções que lhe deram seja o protocolo que está a ser seguido para toda a gente.

"Se acham que está mal explicado, ajudem a explicar. Temos de aceitar a opinião dos técnicos. Às vezes não gostamos, mas temos de a seguir."

Questionado diretamente sobre as dúvidas levantadas pelo Presidente da República, o primeiro-ministro interrompeu os jornalistas: "Posso falar?". E continuou: "Quando não estamos protegidos, é um perigo para nós e também para os outros. Há uma pequena percentagem das pessoas que não fica protegida com as vacinas."

Costa disse ainda aos jornalistas que esteve "tranquilo" durante os 10 dias de isolamento profilático, ao fim dos quais fez mais um teste PCR, que deu negativo.

“Tenho confiança no processo de vacinação. Temos de compreender que, mesmo vacinados, temos de continuar a cumprir as instruções das autoridades de saúde.” 

Catarina Pereira