O secretário-geral do PS, António José Seguro, defendeu, este domingo que o Douro tem que diversificar a sua oferta para além do vinho, considerando que o turismo é a «âncora» para o desenvolvimento e criação de emprego.

O «Roteiro do Interior» levou, este domingo, o líder socialista ao Peso da Régua, onde visitou a exposição sobre o bicentenário de Dona Antónia Adelaide Ferreira. A mais antiga região demarcada do mundo, o Douro, atravessa uma crise que está a afetar milhares de pequenos e médios vitivinicultores. «Quando há crise num setor, convém diversificar», referiu.

«O Douro tem potencialidades ao nível do vinho, mas também do turismo e de outros produtos endógenos associados», afirmou aos jornalistas.

O secretário-geral do PS frisou que o «turismo é uma âncora para o desenvolvimento económico, para a criação de emprego» neste país que está tão necessitado precisamente de «emprego e de crescimento económico».

Neste sentido, reafirmou o «erro colossal» que considerou que o Governo está a fazer ao acabar com as entidades regionais de turismo, como é o caso do Douro ou da Serra Estrela.

«Não tem sentido absolutamente nenhum. Porque desde que ela (Turismo do Douro) existe houve um enorme dinamismo e há resultados, designadamente em termos de acréscimos de dormidas e de turismo nesta região», salientou.

António José Seguro deu como exemplo os 3900 turistas australianos que, este ano, deverão visitar o Douro, e que foi noticiado, este domingo, pelo «Jornal de Notícias».