“O senhor Presidente da República não se pode sobrepor à Assembleia da República e não pode apresentar-se como dono disto tudo. (…) Tem de respeitar o que está a ser discutido na assembleia da República e a maioria dos deputados da Assembleia da República, porque eles refletem a vontade dos portugueses.”

“Se as normas constitucionais forem respeitadas e já agora, se o senhor Presidente da República, por uma vez, respeitar o Parlamento, então estão criadas as condições para evitar os duodécimos e para evitar um Governo de gestão.”









“A CGTP tem três questões fundamentais na discussão da política de rendimentos. O aumento geral dos salários - o aumento do salário mínimo nacional, a questão da dinamização da contratação coletiva e a política fiscal”, explicitou.