Os deputados da comissão de inquérito ao Novo Banco aprovaram hoje uma recomendação da Iniciativa Liberal (IL) para fazer uma auditoria independente aos sistemas de comunicação e à "cultura organizacional" do Banco de Portugal (BdP).

Recomenda-se a realização de uma auditoria independente por entidade externa especializada aos sistemas internos de comunicação e à cultura organizacional do Banco de Portugal", pode ler-se na proposta da IL aprovada esta terça-feira de manhã nas votações do relatório da comissão de inquérito ao Novo Banco, com a abstenção do PCP.

O procedimento deve identificar "os pontos de melhoria que contribuam para evitar a recorrência de fenómenos lesivos do interesse público com origem na 'cultura de secretismo' que prevalece no banco central".

Os liberais recomendam ainda ao BdP que, "sem prejuízo do dever de sigilo a que está obrigado em certas matérias, adote uma política de comunicação interna e externa que promova a partilha ativa de informação relevante sobre a atividade do Banco de Portugal, de forma acessível e atempada, em linha com as melhores práticas internacionais nesta matéria", proposta que também contou com a abstenção do PCP.

Foi também aprovada por unanimidade uma recomendação da IL para tornar público o "relatório da Comissão de Avaliação das Decisões e Atuação do Banco de Portugal na Supervisão do Banco Espírito Santo, vulgarmente designado por Relatório Costa Pinto".

O PCP viu também aprovada uma proposta de recomendação pedindo que se "consagre a proibição da acumulação de funções de auditoria externa com funções de consultoria".

Já uma parte da proposta comunista relativa à "criação de meios próprios de auditoria no Banco de Portugal" foi aprovada com votos contra do CDS e da IL, e abstenção do PSD, que numa declaração de voto proferida pelo deputado Duarte Pacheco, disse concordar "com o princípio, mas corresponde a uma utopia".

Anteriormente, tinha sido aprovada uma proposta do PS, com votos contra do CDS e IL, que recomenda "o reforço de meios próprios de auditoria do Banco de Portugal".

Agência Lusa / MJC