A líder do CDS-PP, Assunção Cristas, assumiu a derrota do seu partido nas legislativas de hoje e anunciou que não se recandidatará no próximo congresso extraodinário, que pediu para ser convocado em breve. 

Perante este resultado, pedirei a convocação do Conselho Nacional do CDS, com vista a um Congresso antecipado. Da minha parte, entendo que dei o meu melhor durante quatro anos, mas, em face dos resultados, tomei a decisão de não me recandidatar", anunciou Assunção Cristas, numa declaração aos jornalistas, sem direito a perguntas.

A presidente do partido felicitou "o Partido Socialista, vencedor destas eleições" e desejou a António Costa "sucesso na condução dos destinos do país". Na declaração, Cristas avaliou a prestação do CDS na última legislatura, dizendo que durante quatro anos, o partido "foi uma oposição forte e construtiva a um Governo socialista, apoiado pelo Bloco de Esquerda, pela CDU e também pelo PAN".

Muitas vezes sentimos que fomos uma voz isolada no Parlamento. Construímos um projeto alternativo para o país que claramente não foi escolhido nestas eleições. Assumimos o resultado com humilade democrática", disse.

Na declaração fica clara a sua saída da liderança do partido, mas não fica esclarecido se vai ou não assumir o lugar de deputada no Parlamento. 

As projeções apontam para uma derrota esmagadora do CDS-PP nestas Legislativas.