Assunção Cristas afirmou esta sexta-feira que a aprovação da contagem total do tempo de serviço dos professores não aumenta um cêntimo ao Orçamento.

O que foi aprovado não aumenta um cêntimo ao Orçamento", vincou.

A líder do CDS lembrou que o Governo aprovou e o Presidente da República promulgou o pagamento de dois anos e 9 meses do tempo de serviço congelado aos professores. E sublinhou que o que foi aprovado ontem pelos partidos da oposição não implica qualquer acréscimo a esse período. 

Não há, por isso, qualquer proposta irresponsável, como querem fazer querer", acrescentou.

Em declarações no Parlamento, a centrista sublinhou que a proposta do CDS previa uma negociação, tendo em conta "o crescimento económico, o reconhecimento da carreira, a avaliação e a aposentação dos professores".

Não nos vinculámos a qualquer calendário. A nossa posição é a mesma desde sempre", reiterou.

Para Cristas, "o Governo montou uma fantochada para se vitimizar".

Encenou um golpe. Quer reescrever a história, acusando tudo e todos de responsabilidade. Mais uma vez, atua com desonestidade política e intelectual. Atira areia para os olhos das pessoas, desinforma", acusou a centrista.

A coordenadora do CDS referiu ainda que o Governo tem agora o mesmo que estava previsto no Orçamento: um mandato para negociar com os professores.

Mas se o Governo sente que perdeu o seu apoio parlamentar, junto dos seus, apresente uma moção de confiança. Se quer eleições, assuma-o e não arranje desculpas. Por nós, CDS, este Governo já tinha terminado há muito. Do nosso lado, estamos sempre preparados para eleições", desafiou.

Rui Rio acusa Governo de fazer "um golpe de teatro"

O líder do PSD afirmou que alteração aprovada ontem pelos partidos da oposição no Parlamento apenas implica que o Governo negocie com os professores, sendo que pode fazê-lo "no tempo que for necessário". Rio sublinhou que a medida não tem qualquer impacto no Orçamento.

Não tem rigorosamente nada a ver com aquilo que o Governo tem vindo a dizer. Está a fazer um golpe de teatro, porque a campanha eleitoral lhe está a correr mal", acusou.

Rui Rio acrescentou que a contabilização integral do tempo de serviço dos professores terá somente o impacto financeiro que já estava previsto no Orçamento para 2019. 

Não é nem mais um tostão. Portanto, estão a enganar os portugueses", referiu.

O coordenador dos sociais-democratas sublinhou que "o PSD não votará nunca nada de diferente daquilo que temos dito". 

Eu não faço estas brincadeiras como o Governo está a fazer", atacou.

Sobre uma possível contestação de outros setores da Função Pública, Rui Rio alertou para a necessidade de "justiça".

Um professor no fim da carreira, e poucos chegam lá, ganha cerca de três mil de euros. É o Governo que quer aumentar os magistrados deste país, que quando começam a trabalhar, com 20 e poucos anos de idade, já ganham mais que um professor no fim da carreira. Vamos ser corretos, sérios e justos", alertou o social-democrata.