O presidente do CDS-PP manifestou-se esta terça-feira confiante que o partido vai conseguir eleger mais autarcas do que em 2017 e declarou que "fará uma meditação" e retirará conclusões se não atingir o objetivo proposto.

Estou absolutamente convencido que o CDS vai crescer nas eleições autárquicas e vai atingir a meta que eu estabeleci que é ter mais autarcas eleitos do que teve em 2017 e se conseguirmos fazê-lo acho que o CDS pode ter razões para celebrar”, declarou o líder partidário, quando questionado sobre a sua liderança estava a prazo.

Considerando que todos os líderes políticos, e que o próprio não é exceção, dependem dos resultados eleitorais, o líder centrista referiu que, pese embora o contexto “particularmente adverso” com “novas forças políticas emergentes” e uma situação financeira do partido “bastante decrépita”, o partido parte para as eleições de 26 de setembro com “uma maior representação a nível territorial”, e com mais candidaturas, 251 no total, do que há quatro anos.

Eu fiz um apelo aos dirigentes nacionais do partido, para que se candidatassem nas próximas eleições autárquicas, eu próprio serei candidato em Oliveira do Hospital, portanto, há este esforço de mobilização do partido, a partir das bases, de baixo para cima. Estou satisfeito e acredito que vamos conseguir atingir esse objetivo”, disse.

Sublinhando ser um “otimista por natureza”, Francisco Rodrigues dos Santos admite, contudo, que se não alcançar o objetivo proposto fará a sua reflexão.

Se não alcançar esse objetivo terei de retirar as minhas conclusões e farei uma meditação no dia das eleições”, garantiu, após questionado pelos jornalistas, durante uma visita à 56.ª edição da Capital do Móvel, que decorre na alfândega do Porto, no âmbito da pré-campanha eleitoral autárquica.

/ NM