O socialista António Costa e o social-democrata Pedro Santana Lopes aparecem tecnicamente empatados nas projecções de voto para as autárquicas em Lisboa, separados por apenas um ponto percentual. Segundo a sondagem do Centro de Estudos e Sondagens de Opinião da Universidade Católica para a RTP, Antena 1, JN e DN, o socialista António Costa, actual presidente da autarquia, consegue 38 % das intenções de voto e Pedro Santana Lopes que encabeça a coligação «Lisboa com sentido», que congrega o CDS, MPT e PPM arrecada 37%.

O Bloco de Esquerda, cuja lista em Lisboa é liderada por Luís Fazenda, passa a terceira força na capital com 9% das intenções de voto, deixando a lista da CDU, liderada pelo actual vereador comunista Ruben de Carvalho, na quarta posição, com 7% nas intenções de voto.

Nas eleições intercalares de 2007, a CDU conseguiu eleger dois vereadores e o BE apenas um, o candidato independente José Sá Fernandes, que acabou já este ano em rota de colisão com o partido que o elegeu.

O Movimento Cidadãos por Lisboa, liderado por Helena Roseta, surge logo a seguir à CDU, ao conseguir nesta projecção de voto os 6 %. Apenas 3% dos inquiridos não quiseram ou não souberam apontar em que força ou candidato tencionam votar nas próximas eleições autárquicas em Lisboa.

Quando confrontados com os nomes dos candidatos, em vez das siglas partidárias, os lisboetas mudam a resposta. António Costa continua à frente de Santana depois de 30% dos inquiridos pela Universidade Católica o terem apontado como a pessoa mais qualificada para dirigir a CML, enquanto o adversário é escolhido por 27%. A arquitecta Helena Roseta é a terceira candidata mais bem-vista pelo eleitorado na capital e a uma distância muito significativa de Ruben de Carvalho (4%) e de Luís Fazenda (3%).

Estes últimos dados, por comparação com a intenção de voto expressa nas várias forças políticas concorrentes à Câmara de Lisboa, indica que o eleitorado ainda segue, mesmo nas autárquicas, mais a cor do partido ou partidos com que se identifica do que as figuras que entende mais indicadas para a função de autarca.
Redação / SM