O atual presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, apresentou oficialmente, esta segunda-feira, a candidatura a um novo mandato, comprometendo-se com creches gratuitas "para as famílias jovens da classe média" do município.

“Quero anunciar aqui que fará parte do nosso compromisso eleitoral a redução progressiva dos valores pagos pelas famílias com creches, tendo em vista assegurar que se tornarão gratuitas até ao final do mandato para as famílias jovens da classe média que residam em Lisboa”, salientou.

“Esta será a mais importante política de apoio aos rendimentos das jovens famílias, um poderoso incentivo à natalidade e à fixação de jovens em Lisboa”, defendeu o candidato.

Durante o seu discurso, Fernando Medina realçou que o país está a ser confrontado com uma quarta vaga da pandemia de covid-19, prometendo que o município vai continuar a auxiliar os mais necessitados, a economia e o emprego, a promover a testagem em massa, assim como a apoiar a aceleração da vacinação contra a covid-19.

“Se há lição deste período de pandemia é que devemos prosseguir com ainda mais determinação, mais rapidez e mais profundidade a agenda de Lisboa Capital Verde, a agenda de Lisboa Saudável, a agenda de Lisboa Solidária”, sublinhou.

A apresentação decorreu na Estufa Fria, onde estiveram presentes algumas das principais figuras do PS e do Governo, casos do primeiro-ministro António Costa, da líder parlamentar socialista Ana Catarina Mendes, e dos ministros de Estado da Economia, Pedro Siza Vieira, e da Presidência, Mariana Vieira da Silva.

"Temos finalmente recursos que antes não tínhamos", explicou o secretário-geral do PS, lembrando as verbas incluídas no Plano de Recuperação e Resiliência, um investimento que é "para ser financiado pelo Estado mas executado pelos municípios".

"Se hoje temos um novo passe social isso deve-se a uma proposta de Fernando Medina ao Governo", enalteceu António Costa, acrescentando que este é um trabalho "para seguir", uma vez que "há muito para fazer na cidade".

Fernando, passados sete anos, é com muita satisfação que o PS se revê no teu trabalho", afirmou Costa.

Medina é candidato não para jogos partidários ou sobrevivência de líderes

O secretário-geral do PS afirmou que Fernando Medina recandidata-se a presidente da Câmara de Lisboa por causa dos desafios da cidade e não para "jogos partidários", ou para a "sobrevivência" política de líderes por interposta pessoa.

Sem nunca visar diretamente partidos, o líder socialista, que na segunda semana de junho foi reconduzido pelos militantes do seu partido no cargo de secretário-geral do PS com cerca de 94% dos votos, deixou de forma indireta várias farpas a outras forças políticas, sobretudo ao PSD.

"A contrário de outras candidaturas, a de Fernando Medina não é uma candidatura para a preservação do líder do PS por interposta pessoa. Felizmente, o líder do PS está de boa saúde e continuará de boa saúde. O que se trata aqui é mesmo de Lisboa", declarou António Costa.

Já na parte final da sua intervenção de elogio a Fernando Medina, o secretário-geral do PS voltou à carga, dizendo que Lisboa "não pode ser um espaço de aventuras".

"Não pode ser um espaço simplesmente de afirmação de contabilização de jogos partidários. A cidade é um grande valor que o país tem", argumentou.

Recorde-se que as eleições autárquicas estão marcadas para 26 de setembro.

Para a corrida à presidência da autarquia foram até agora anunciadas as candidaturas de Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), João Ferreira (CDU), Bruno Horta Soares (IL), Nuno Graciano (Chega), Beatriz Gomes Dias (BE) e Manuela Gonzaga (PAN) e Tiago Matos Gomes (Volt).

Rafaela Laja