O PSD vai viabilizar o projeto do PCP para prolongar as moratórias bancárias, mas, na especialidade, quer limitar a sua duração ao período do estado de emergência e à concordância da Autoridade Bancária Europeia (EBA).

O parlamento debate na quarta-feira um projeto-lei do PCP que propõe que as moratórias “cujo período de carência termine no primeiro semestre de 2021 possam ser prorrogadas, nas mesmas condições, por mais seis meses, se assim for requerido pelo beneficiário”.

“O PSD vai viabilizar a proposta que visa prolongar as moratórias bancárias para a fase em que o país viva em estado de emergência, e exclusivamente nessa fase, e naturalmente condicionada a uma concordância por parte da EBA”, afirmou o deputado social-democrata Duarte Pacheco, em declarações à Lusa.

A ideia, explicou, será viabilizar a iniciativa na generalidade para, na especialidade, introduzir estas duas restrições ao texto dos comunistas.

“Desse modo consegue-se um equilíbrio entre o princípio da responsabilidade e da solidariedade”, defendeu.

Questionado se a bancada do PSD irá abster-se ou votar a favor do diploma do PCP, respondeu: “Veremos qual é posição final do PS e votaremos em conformidade”.

O deputado social-democrata Duarte Pacheco salientou que o partido considera “essencial” a estabilidade do sistema financeiro e alertou que não se pode juntar uma crise neste setor à crise sanitária, económica e social.

“Por isso, todas as medidas que afetem o sistema financeiro têm de ser tomadas com muita ponderação e muita cautela”, sublinhou.

/ CP