"Em 2007, Marques Mendes mostrou as contas e as contas diziam que para haver plafonamento criava-se um buraco de 9 mil milhões de euros e acaba-se com o fundo de sustentabilidade da Segurança Social", recordou, sublinhando que a proposta do plafonamento "destrói a Segurança Social em Portugal".