Sócrates desmente «categoricamente» que tenha feito ou mandado fazer qualquer convite à militante bloquista Joana Amaral Dias para integrar as listas socialistas às eleições legislativas. «Desminto categoricamente que tenha convidado Joana Amaral Dias ou que tenha pedido a alguém para a convidar», disse aos jornalistas, em resposta à acusação de Francisco Louçã

«Já ontem desmenti esse convite. Só ouvi falar do nome dela quando as listas já estavam fechadas», adiantou Sócrates. E esclareceu que no PS existem apenas três pessoas que poderiam ter feito esse convite a Joana Amaral Dias - ele próprio, o presidente da Federação de Coimbra, Vítor Baptista, e o ministro do Trabalho, Vieira da Silva -, mas que ninguém fez esse convite.

«O que lamento é que um líder político utilize uma falsidade para atacar outro, ainda por cima, insinuando que andamos a traficar influências.Utilizar mentiras e usar inverdades para atacar um líder politico é uma coisa que não se deve fazer», disse.

«Aliás, já não vejo a Joana Amaral Dias há pelo menos três anos», acrescentou o primeiro-ministro.

O mesmo tinha já dito Vieira da Silva, afirmando que não está com a bloquista desde a campanha presidencial de Mário Soares, de quem Joana Amaral Dias foi mandatária.
Redação / SM