O Parlamento decidiu chamar para audições sobre o Novo Banco e a resolução do BES a anterior e o atual ministros das Finanças, o governador do Banco de Portugal e o presidente do Fundo de Resolução.

O PCP tinha apresentado, no final de janeiro, à comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa um requerimento para a audição do governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, e da ex-ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o que motivou uma forte oposição do PSD.

O requerimento do grupo parlamentar comunista acabou por ser votado em dois pontos, sendo aprovada a audição de Carlos Costa, com os votos favoráveis do PS, BE e PCP e os votos contra do PSD e do CDS.

No entanto, a audição de Maria Luís Albuquerque proposta pelo PCP foi chumbada, com os votos favoráveis do PCP e BE, contra do PSD e do CDS-PP e abstenção do PS, que considerou que “embora seja legítimo chamar ao parlamento membros de antigos governos, a comissão [parlamentar] ordinária não tem essa missão”.

Ainda assim, a audição da ex-ministra Maria Luís Albuquerque acabou por ser aprovada, no seguimento de uma proposta do PSD apresentada na comissão parlamentar desta tarde para promover um conjunto de audições parlamentares sobre o Novo Banco.

O requerimento do grupo social-democrata sugeria ouvir também o presidente do conselho diretivo do Fundo de Resolução, José Joaquim Berberan e Santos Ramalho, e do atual ministro das Finanças, Mário Centeno.

A audição de Maria Luís Albuquerque acabou por ser aprovada com os votos favoráveis do PSD, CDS-PP, BE e PCP e a abstenção do PS, sendo que as audições de Mário Centeno e do presidente do Fundo de Resolução também foram aprovadas, mas apenas com os votos a favor do PSD, CDS-PP e BE, uma vez que PCP e PS se abstiveram.