O fundador do BE Francisco Louçã considerou este sábado irrepetível a posição conjunta com o PS que viabilizou o Governo minoritário socialista e pediu um "contrato muito melhor", à chegada à XI Convenção bloquista, em Lisboa.

O modelo do contrato que foi feito há três anos... não se pode repetir. Tem de haver outro, e muito melhor, para responder muito melhor a problemas mais importantes do país. Há três anos, tratava-se de impedir que PSD e CDS continuassem a empobrecer Portugal", lembrou o antigo líder do BE.

Louçã disse que "o BE fez muitíssimo bem em responder aos seus eleitores e ao país dizendo 'parou, virou a página' e 'agora recuperam-se salários e pensões e as pessoas são respeitadas'", referindo-se ao acordo celebrado há precisamente três anos, no parlamento.

"Daqui a um ano não é para correr com a direita que se vai votar. Vota-se para responder aos problemas de fundo do país. Continuamos a ser um país pobre: com muitos precários, em que os idosos - mais de um milhão - têm pensões abaixo dos 400 euros. Há muita pobreza e sofrimento no país, que é um dos mais desiguais da Europa se não o mais desigual", continuou, relativamente às eleições legislativas de 2019.

Para o antigo deputado bloquista, "não se pode negociar um próximo Governo como se tratou o Orçamento do Estado deste ano".

"Não é às 02:00 da manhã da véspera do dia que se decide como se vai governar os próximos quatro anos. É preciso trabalhar em profundidade e se um partido como o BE mostrar que quer fazer esse trabalho concreto, pensado, trabalhoso, então merece o voto das pessoas", concluiu.