“Queremos mostrar onde é que estão as pessoas que tiveram que sair de Portugal neste êxodo nos últimos quatro anos e mostrar que, para que o país seja viável, é necessário arranjar condições para as pessoas não saírem de Portugal e para estas voltarem”








“Não posso garantir que nos próximos tempos será este o mote [fazer a diferença] porque isso tem a ver com a dinâmica da campanha, mas essencialmente essa é a mensagem: é necessário fazer diferente porque até agora este caminho da austeridade tem-nos levado até um buraco de onde não há saída e por isso dar a volta implica fazer diferente”