O Programa do novo Governo dos Açores (PSD/CDS/PPM) foi aprovado esta sexta-feira na Assembleia Legislativa Regional com 29 votos a favor e 28 votos contra.

O documento, que foi discutido entre quarta-feira e sexta-feira, foi votado favoravelmente pelos deputados dos três partidos que formam o executivo (21 do PSD, três do CDS e dois do PPM), pelos dois deputados do Chega e pelo parlamentar da Iniciativa Liberal, partidos que viabilizam no hemiciclo açoriano o executivo.

Os 25 deputados do PS, os dois do Bloco de Esquerda e o parlamentar do PAN votaram contra o documento.

O anúncio da votação mereceu um aplauso de pé dos membros do Governo Regional e dos parlamentares dos três partidos que formam o executivo.

O presidente do Governo dos Açores garantiu que não vai recusar propostas "à partida", "venham elas de onde vierem", mas garantiu que vai governar apenas com o dinheiro disponível.

Governaremos com o dinheiro que tivermos. Não vamos é fingir que temos o dinheiro que não temos", declarou o social-democrata, falando no parlamento açoriano, na Horta.

E prosseguiu: "Connosco não há propostas ou sugestões rejeitadas logo à partida. Venham elas de onde vierem. Todas as propostas e sugestões serão sempre bem-vindas por este XIII Governo dos Açores. Partimos sempre do princípio de que todos querem o melhor para a governação dos Açores".

Bolieiro sugere debate anual no parlamento sobre estado da região

O presidente do Governo dos Açores, José Manuel Bolieiro, sugeriu a implementação de um debate parlamentar sobre o estado da região, no final de cada sessão legislativa.

No final do debate sobre o Programa de Governo, que terminou esta sexta-feira na Horta, o social-democrata sublinhou que "a governação é também um exercício de cooperação institucional, que respeita os poderes do primeiro órgão da autonomia, a Assembleia Legislativa", prometendo um "relacionamento diferente" com o órgão na comparação com o executivo anterior, socialista.

Enquanto presidente do Governo Regional manifesto, desde já, a minha disponibilidade para cooperar com a Assembleia Legislativa, na preparação de momento parlamentar próprio para debater sobre um tema da atualidade, a definir alternadamente pelo Governo e pelos senhores deputados, bem como para a realização de um debate sobre o estado da região, no final de cada sessão legislativa", acrescentou.

Os membros do novo executivo, disse ainda, "terão disponibilidade para que a sua presença nas comissões parlamentares tenha um carácter regular e independente da sua audição sobre iniciativas legislativas, bem como para que os requerimentos" apresentados "sejam respondidos de modo célere e de modo esclarecedor".

/ HCL