«Se os portugueses tivessem de escolher alguém para jantar, mais facilmente escolheriam o presidente do Banco Central Europeu que o primeiro-ministro de Portugal», disse à Lusa.