A coordenadora do Bloco de Esquerda defendeu, este sábado, que o país precisa de uma inversão urgente de políticas no plano social e económico e questionou o Governo sobre qual a sua resposta perante níveis inéditos de desemprego.

«A forma como o PIB caiu em Portugal e o desemprego aumentou é uma espiral recessiva, um primeiro-ministro que não reconhece isso e não inverte políticas para que haja crescimento económico é alguém que está completamente descontrolado e não tem nenhuma resposta para o país», acusou Catarina Martins.

A coordenadora falava aos jornalistas no início da manifestação da CGTP em Lisboa, que partiu do jardim do Príncipe Real e vai terminar na Praça do Município, na baixa da cidade.

Catarina Martins dirigiu críticas duras à ação do Governo e questionou até «onde vai a [sua] violência».

«Pedro Passos Coelho dizia ontem que tinham encerrado as empresas que tinham de encerrar, que não podiam sobreviver, mas qual é a resposta do Governo para mais de um milhão de pessoas que está desempregada e sem acesso ao subsídio de desemprego, é dizer que não podem sobreviver? Mas que Governo é este?», questionou.

Para a deputada do BE, a posição do executivo é «completamente inadmissível»: quantas «pessoas mais é preciso estarem no desemprego e sem apoio, um milhão não chega? É preciso dois milhões, três milhões?»

A bloquista assinalou que mesmo perante dados muito negativos da economia do país e do emprego, o objetivo do Governo «continua a ser cortar mais quatro mil milhões no Estado social e tornar os despedimentos mais baratos».

«A receita continua a ser a mesma, é muito importante esta jornada de luta para dizer que este Governo não dá resposta, para lutar pela dignidade no trabalho e dizer que todos os que estão sem emprego têm de ter subsídio, que não podemos abandonar um milhão de pessoas à sua sorte», sustentou.

Para a líder do BE, é preciso «inverter políticas» e «aumentar o salário mínimo», porque «só com crescimento da economia se consegue contrariar esta espiral recessiva».

No entanto, essa inversão não será com este Governo, declarou.

«Já vimos que com este Governo isso não irá acontecer, portanto a demissão do Governo é o caminho de todos quantos hoje estão a lutar por Portugal e não aceitam que o país continue neste caminho para o precipício», disse.
Redação / CM