O presidente do CDS-PP considerou esta sábado que a entrevista de António Costa ao Expresso foi "um sintoma de má convivência democrática" do primeiro-ministro com os médicos, acusando-o de querer aplicar "a lei da rolha" à Ordem.

A entrevista do primeiro-ministro é "um sintoma de má convivência democrática com a realidade e com os médicos, porque quer aplicar a 'lei da rolha' à Ordem dos Médicos, desvalorizando e atacando os factos constantes no seu relatório [sobre o lar em Reguengos de Monsaraz]", afirmou hoje Francisco Rodrigues dos Santos, numa mensagem enviada às redações.

A reação do CDS-PP surge na sequência da entrevista do líder do Governo ao Expresso, em que António Costa diz que a Ordem não tinha competência legal para fazer um relatório sobre as falhas no lar em Reguengos de Monsaraz, onde foi detetado um surto de covid-19.

Para o líder do CDS-PP, as palavras do primeiro-ministro revelam um "sintoma de quem não sabe cuidar deste assunto com mais sensibilidade do que a sua ministra [do Trabalho] e com o respeito que as famílias enlutadas merecem".

Esperava-se de António Costa que apurasse responsabilidades políticas pelos erros cometidos, apontasse a porta da saída à sua ministra e que no mínimo pedisse desculpas às famílias que perderam entes queridos pelas falhas grosseiras do Estado. António Costa não fez nem uma coisa, nem outra, o que é revelador da arrogância com que o PS governa", criticou Francisco Rodrigues dos Santos.

Na mesma mensagem, o presidente do CDS-PP considerou que a entrevista foi também "um resgate político", por valorizar "mais a defesa da sua ministra do que apresentar um plano seguro para os idosos - os que estão nos lares e os que vivem sozinhos -, numa altura em que há 80 surtos ativos em lares e em que se antecipa uma segunda vaga".

O surto de Reguengos de Monsaraz provocou 162 casos de infeção, a maior parte no lar da FMIVPS (80 utentes e 26 profissionais), mas também 56 pessoas da comunidade, tendo morrido 18 pessoas (16 utentes, uma funcionária do lar e um homem da comunidade).

Na entrevista ao Expresso, António Costa assumiu que houve falhas na situação que envolveu o lar em Reguengos de Monsaraz - onde morreram 16 utentes infetados com o novo coronavírus (SARS-CoV-2), mas reforçou que a instituição "é de uma fundação privada" e que, "quando foi alertado, o Estado reagiu imediatamente".

Costa reiterou que mantém confiança na ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho: "A ministra disse claramente que não desvalorizava o que aconteceu, e mais: a atuação que tivemos demonstrou que não desvalorizámos. Convém não esquecer que em abril tivemos 363 surtos em lares e ontem tínhamos 80. Não acordámos agora por causa do relatório de uma entidade [Ordem dos Médicos] que não tem competência legal para fazer esse estudo."

/ BC