O chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, afirmou esta terça-feira, em Vila Real, que as relações entre Portugal e Espanha são "fator de competitividade e de dinamismo".

O líder do governo espanhol falava durante um encontro com empresários portugueses e espanhóis, no segundo e último dia da 29.ª cimeira, que decorre em Vila Real.

Por isso, acrescentou, "estes seminários são uma ocasião para explorar novas oportunidades entre os nossos dois mercados na Europa e no mundo".

Como países vizinhos e amigos as nossas relações comerciais são muito estreitas. Portugal é para Espanha um mercado muito importante e com quem mantemos um intenso fluxo comercial e de investimentos”, frisou.

O chefe do Governo espanhol referiu que o comércio bilateral tem aumentado muito nas últimas décadas e frisou que são muitas as empresas que focam a sua atividade neste mercado ibérico conjunto. Cruzar a fronteira é hoje, segundo o governante espanhol, “um ato natural para os cidadãos”.

Mariano Rajoy destacou ainda a importância do comércio bilateral para as regiões de fronteira e, por isso, frisou que, pela primeira vez uma cimeira teve como tema central precisamente a cooperação transfronteiriça.

Antes de chegar ao palácio Conde de Amarante, no centro da cidade, Rajoy fez uma caminhada de 10 quilómetros por vinhas durienses.

Fronteira com Espanha é “ponto de união”

O primeiro-ministro, António Costa, sublinhou também as relações "muito fortes e integradas" entre Portugal e Espanha, sustentando que a fronteira entre os dois países deve ser um "ponto de união" e não uma "linha de separação".

O objetivo é fazer da fronteira, que era uma linha de separação, um ponto de união entre os nossos países, povos e economias. Para esta união o papel das empresas é absolutamente essencial", defendeu António Costa que falava em Vila Real no segundo de dois dias de cimeira ibérica entre Portugal e Espanha.

No final da cimeira empresarial luso-espanhola, Costa lembrou ainda a necessidade de se trabalhar "dia após dia em conjunto", valorizando a relação económica "muito forte" entre Portugal e Espanha.

Para termos uma noção, a Espanha exporta para Portugal mais do que exporta para toda a América Latina. E Portugal exporta só para Espanha mais do que exporta para a Alemanha e França no seu conjunto", declarou.

O chefe do executivo português disse ser necessário "transformar esta força" de proximidade "numa capacidade crescente" de ambos os países serem "mais fortes em conjunto no mercado europeu e global".

Depois, António Costa lembrou que a cimeira entre os dois executivos decorre em Vila Real, no interior do país, e centra-se na cooperação transfronteiriça, numa "nova visão" sobre o território de ambos os países.

Se queremos ter maior coesão territorial e queremos desenvolver o que está por desenvolver, é nestas regiões que temos de priorizar o esforço de desenvolvimento", realçou.

Depois do encontro com empresários, os dois chefes dos governos deslocaram-se para a Praça do Município, onde decorreram cerimónias militares, com a presença dos três ramos das Forças Armadas.

As comitivas seguiram depois para a Casa de Mateus, onde decorre a reunião plenária dos governantes, estando agendada para o final da manhã uma conferência de imprensa final e o encerramento da 29.ª cimeira ibérica que arrancou na segunda-feira e termina hoje.

No final do encontro, serão assinados vários acordos entre os dois países, no que pretende ser um reforço da cooperação transfronteiriça em áreas como energia, infraestruturas e ambiente.

As cimeiras ibéricas são reuniões anuais bilaterais lideradas pelo chefe do Governo de Espanha e pelo primeiro-ministro de Portugal e nas quais se discutem questões de interesse para ambos os executivos e projetos de cooperação entre os dois países.

Esta é a primeira reunião do género com António Costa como chefe do Governo de Portugal, já que em 2016 não decorreu a cimeira devido à conjuntura política de Espanha, na altura com um executivo de gestão.