"Esta gravidez, que entretanto foi classificada como de risco, terá consequências para a campanha eleitoral. Vai impossibilitar o plano inicial da coligação, que era fazer uma campanha em todas as capitais de distrito do país. Vai ter de ser, naturalmente, reduzida", declarou, em conferência de imprensa, em Lisboa, sublinhando ser uma questão de "transparência" para uma "relação clara e fiel com os eleitores".


Redação / PP