Jerónimo de Sousa recusou, nesta sexta-feira, “admitir que seja o escolhido” para continuar na liderança do PCP após o congresso no final do mês e afirmou que “o partido não está prisioneiro de uma solução única”.

Não posso admitir que seja o escolhido”, respondeu o secretário-geral do PCP, numa entrevista à rádio Observador, questionado sobre a possibilidade de o comité central vir a escolhê-lo para um novo mandato no XXI Congresso Nacional, em 27, 28 e 29 de novembro, em Loures, distrito de Lisboa.

Para Jerónimo de Sousa, a questão do secretário-geral “não será um problema” e que o PCP tem uma forma “trabalhosa” de eleger o líder diferente dos restantes partidos que têm “candidatos a chefes”.

O secretário-geral não é um órgão. É eleito pelo comité central que, por sua vez, é eleito em congresso. Isto dá trabalho”, disse.

Quanto à realização do congresso, Jerónimo considerou inaceitável o adiamento, por estarem em causa direitos constitucionais que o estado de emergência não altera, e afirmou, com um sorriso, que “só uma desgraça” na direção poderia alterar os planos.

Jerónimo de Sousa afirmou, ainda, que o congresso, com metade dos delegados e sem convidados, nacionais e estrangeiros, está a ser preparado respeitando “as orientações da parte da Direção-Geral de Saúde”, cumprindo “normas e preceitos” para a “salvaguarda da saúde e bem-estar dos delegados”.

/ CM