O líder parlamentar do PS, Alberto Martins, afirmou este domingo que a escolha de Manuela Ferreira Leite para a liderança do PSD «dá a ideia de que a direita em Portugal está a regressar ao passado sem ter medidas consistentes para ajudar a construir o futuro de Portugal», afirmou.

Portugal vive «situação de emergência social»

Ferreira Leite em defesa do SNS e contra as regras fiscais

Alberto Martins, que encabeçou a delegação do PS à sessão de encerramento do XXXI Congresso Nacional do PSD, lamentou o «discurso negativista» da nova líder social-democrata, «feito de generalidades e sem propostas concretas».

Posições «iguais às do PS»

O PCP afirmou este domingo que o congresso do PSD mostrou «a impossibilidade do PSD afirmar as suas posições» face a um PS que «tomou conta da sua função de representar os grandes interesses».

Carlos Gonçalves, que liderava a representação comunista ao XXXI Congresso do PSD, classificou o encontro social-democrata como «mais um congresso recorrente», dentro de um ciclo de conturbação interna que demonstra «a impossibilidade do PSD fazer passar a afirmação de que as suas posições são diferentes das do PS».

«O país está um bocadinho cansado deste discurso»

Nuno Melo, deputado do CDS, partilha da mesma opinião ao garantir que não viu grandes diferenças entre o discurso final de Manuela Ferreira Leite no Congresso do PSD e do Governo presidido por José Sócrates «em matéria de fiscalidade, de saúde, de educação, de justiça».

«Em boa verdade, não notei propriamente uma nota muito diferenciadora face a quem neste momento nos governa», disse Nuno Melo, que liderou a delegação do CDS ao Congresso social-democrata.

«Também lhes digo que me parece que o país está actualmente um bocadinho cansado deste discurso que, alternando eleição após eleição, também não vai trazendo propriamente nada de novo», continuou.
Redação / - LM