O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta segunda-feira que a contribuição portuguesa pública e privada será de 10 milhões de euros no âmbito da "Resposta global ao Covid-19 - conferência de doadores", uma iniciativa promovida pela Comissão Europeia.

António Costa fez este anúncio da verba de dez milhões de euros para a conferência de doadores - 1,55 milhões do Governo e 8,45 milhões de euros de empresas privadas e instituições - montante que se destina a acelerar o desenvolvimento da vacina e tratamentos da doença, durante uma sessão que se realizou na Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa.

Com esta iniciativa, a Comissão Europeia "tem como objetivo reunir esforços de governos, empresários, fundações e cidadãos da União Europeia para recolher 7,5 mil milhões de euros".

Esses 7,5 mil milhões de euros, segundo a Comissão Europeia, destinam-se "a acelerar o desenvolvimento, a produção e o acesso equitativo a vacinas, diagnósticos e tratamentos" da covid-19.

No início da sua intervenção, perante uma plateia com alguns dos maiores empresários e banqueiros nacionais, António Costa agradeceu a resposta ao seu apelo para haver uma participação relevante de Portugal na conferência de doadores desta tarde.

Em nome dos dez milhões de portugueses, logo à tarde vamos participar com dez milhões de euros no esforço europeu para a resposta global no combate à covid-19", declarou o líder do executivo.

De acordo com o Governo português, "além de uma significativa contribuição financeira, juntando o setor público e o privado, os centros nacionais de investigação e desenvolvimento e a indústria farmacêutica estão preparados para integrar parcerias internacionais nas três áreas cobertas pela iniciativa".

No âmbito desta iniciativa "Resposta Global", as parcerias vão desenrolar-se em três fases: "investigação, produção e distribuição".

Segundo o Governo português, para esta iniciativa da Comissão Europeia, o Governo português avança com um montante na ordem de 1,55 milhões de euros.

Depois, as doações de empresas e instituições totalizam 8,45 milhões de euros, com destaque para a EDP (750 mil euros), EPAL (750 mil euros), Apifarma (Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica com 500 mil euros), Associação Nacional de Farmácias (500 mil euros), Banco Santander Totta (500 mil euros), BPI (500 mil euros), CGD (500 mil euros), Fundação Calouste Gulbenkian (500 mil euros) e Jerónimo Martins (500 mil euros).

Na lista de contribuições está ainda Millennium BCP (500 mil euros), Novo Banco (500 mil euros), Sociedade Francisco Manuel dos Santos (500 mil euros), Sonae (500 mil euros), Galp (300 mil euros), Fundação Aga Khan Portugal (250 mil euros) e Fundação Champalimaud (250 mil euros) e Fundação Manuel António da Mota (250 mil euros).

Em relação às empresas privadas do setor da saúde, destaque para a Mello Saúde (150 mil euros), Luz Saúde e Multicare (150 mil euros), e United Health, Hospital Lusíadas (com 100 mil euros).

Comissão Europeia avança com mil milhões de euros para investigação global

A Comissão Europeia anunciou hoje uma contribuição de mil milhões de euros para investigação de vacina e tratamentos para a covid-19, no âmbito de uma campanha mundial de angariação de fundos coorganizada por Bruxelas. 

“A Comissão Europeia vai mobilizar mil milhões de euros para a resposta global ao novo coronavírus”, anunciou a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, falando no arranque de uma maratona mundial de angariação de fundos para desenvolvimento de testes de diagnóstico, tratamentos e vacinas contra covid-19, coorganizada pela instituição.

Ao todo, o objetivo é conseguir 7,5 mil milhões de euros para alocar a testes de diagnóstico, vacinas e tratamentos.

“Temos de desenvolver [estes tratamentos] e disponibilizá-los em todos os cantos do mundo e eles têm de estar disponíveis e acessíveis para todos”, adiantou Ursula von der Leyen.

Também hoje, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que a contribuição portuguesa pública e privada será de 10 milhões de euros. 

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 247 mil mortos e infetou mais de 3,5 milhões de pessoas em 195 países e territórios.

/ Publicado por Rafaela Laja