O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, discursa, esta segunda-feira, na cerimónia comemorativa dos 110 anos da Implantação da República, na Praça do Município, num formato mais restrito devido à pandemia, e depois de ter testado negativo à covid-19.

Este será o quarto discurso de Marcelo Rebelo de Sousa em cerimónias comemorativas da Implantação da República, na Praça do Município, e o último do seu mandato como Presidente da República, que se iniciou em 2016 e termina a 9 de março de 2021.

No ano passado, o 109.º aniversário do 5 de Outubro foi assinalado com uma cerimónia simbólica, sem discursos, na Praça do Município, em Lisboa, por ser véspera de eleições legislativas.

O chefe de Estado tem aproveitado esta data histórica para se dirigir aos políticos, com alertas sobre a saúde da democracia.

Em 2018, apelou à permanente construção da democracia, defendendo que é fundamental "a inovação e a proximidade no sistema político", e voltou a advertir para as "tentações radicais, egoístas, chauvinistas ou xenófobas".

Hoje, a sessão decorre num formato mais restrito devido às medidas sanitárias por causa da pandemia de covid-19. Antes do Presidente da República, discursa o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

Segundo o programa, a cerimónia inicia-se com a chegada do Presidente da República, às 10:30, que assiste à continência da força da GNR em parada e dirige-se em seguida para o Salão Nobre, seguindo-se o hastear da Bandeira Nacional, na varanda, ao som do Hino Nacional.

Na sessão, adianta uma nota da câmara de Lisboa, estarão o presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, o primeiro-ministro, António Costa, e, devido à atual situação de pandemia, estão ainda presentes os quatro presidentes dos tribunais superiores e cinco vereadores, um de cada força política representada na autarquia.

/ CM