O primeiro-ministro português, António Costa, disse eta terça-feira após o encontro bilateral com o Presidente de Moçambique, Filipe Nyusi, que Portugal está "disponível para integrar" forças militares ou outros apoios a este apoio africano decididos no seio da União Europeia.

A União Europeia está neste momento a fazer a geração de forças para uma equipa técnica e de formação em Moçambique e estamos disponíveis para integrar outras forças e outros apoios que sejam necessários", afirmou o primeiro-ministro aos jornalistas no fim do encontro bilateral com o chefe de Estado Moçambicano.

António Costa participa esta terça-feira na Cimeira Sobre o Futuro das Economias Africanas, organizada pelo Presidente francês, Emannuel Macron, que decorre na capital francesa e junta mais de 20 líderes africanos e europeus.

No encontro bilateral com Filipe Nyusi, a situação do terrorismo em Cabo Delgado foi um dos pontos altos da conversa, com o primeiro-ministro a relembrar que Portugal sempre apoiou o esforço de luta contra o terrorismo desenvolvidos por outros parceiros como a França, dado a possibilidade de uma intervenção francesa no terreno.

Temos falado com os parceiros europeus, com a França. Nós temos apoiado a França em outras ações e recordo que depois dos ataques terroristas em Paris, Portugal mobilizou uma força que tem estado presente há mais de cinco anos na República Centro Africana [...] quando se trata de amigos tão próximos como é o caso de Moçambique, a expectativa que temos é que os nossos parceiros europeus correspondam ao apoio", afirmou António Costa.

O primeiro-ministro português lembrou ainda que Portugal tem também já uma força de formação militar no terreno, reforçando que o fator da língua partilhada é "uma enorme vantagem" no apoio que se pode dar a Moçambique.

Em relação à covid-19, António Costa lembrou também que Portugal vai doar a partir do fim de junho, 5% das vacinas contra a covid-19 a Moçambique e outros países lusófonos.

/ JGR