O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou, neste sábado, em Coimbra, que a ação do Governo no controlo da pandemia de Covid-19 "correu mal" nas últimas semanas na região de Lisboa.

Olhando aos resultados da ação governativa em Lisboa e Vale do Tejo nas últimas duas, três semanas, naturalmente, são dados objetivos que correu mal", frisou o líder social-democrata, no final da reunião do Conselho Estratégico Nacional do partido.

Aos jornalistas, o dirigente considerou natural que existam críticas ao Governo "sob a forma ao retardador que foi a resposta pública à evolução da pandemia em Lisboa e Vale do Tejo", quando já existia experiência a lidar com a pandemia.

Instado a dizer o que faria de diferente se liderasse o Governo, Rui Rio não quis referir medidas, mas disse que teria de "introduzir a dinâmica que a Direção-Geral da Saúde (DGS) precisa e de estar também mais atento para responder mais depressa".

Sabia o que tinha de fazer do ponto de vista da postura relativamente ao problema e aos serviços", salientou o líder social-democrata, adiantando que a DGS "não está a responder devidamente".

O presidente do PSD referiu ainda que "compreende a colaboração" do Presidente da República com o Governo, embora desde o início do mandato não tenha "estado sempre de acordo" com Marcelo Rebelo de Sousa.

Quanto ao Orçamento Suplementar apresentado pelo Governo, Rui Rio disse que, depois de o PSD ter deixado passar o documento na generalidade, "provavelmente", também será aprovado "na votação final global por uma questão de interesse nacional".

Era gravíssimo se o Orçamento Suplementar chumbasse e o país ficasse sem meios financeiros para responder aquilo que é necessário", assinalou.

O PSD prefere, por isso, deixar passar o documento a "castrar o país, que ficava sem meios financeiros", mesmo que “tenha algumas coisas” que o PSD poderia “fazer diferente" se estivesse no Governo, acrescentou Rui Rio.

"Só numa situação limite é que faríamos uma coisa dessas", sublinhou.

A reunião de hoje do Conselho Estratégico Nacional foi a primeira realizada sob a liderança de Joaquim Miranda Sarmento, o homem forte do PSD para as finanças públicas.

. / CM