O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, reagiu, esta sexta-feira, na TVI24, às declarações do secretário de estado da Saúde britânico, que afirmou ter notado em Portugal um "aumento do número de casos de uma nova variante". 

Se a preocupação britânica é garantir a segurança dos seus cidadãos, então podem continuar a permitir que eles viajem para Portugal, porque Portugal é, de acordo com todos os critérios relativos à pandemia, um país seguro", afirmou.

A justificação britânica para retirar Portugal da lista de países seguros para viajar não convence o ministro português, uma vez que atualmente existem no país apenas 12 casos da mutação nepalesa. "O que todos os nossos peritos nos dizem é que esse número é irrelevante e que a vacinação completa continua a ter uma eficácia muito grande em relação às variantes", afirma Santos Silva.

Sobre a relação diplomática com o Reino Unido, o ministro dos Negócios Estrangeiros acredita que esta não será prejudicada: "Sabemos que as decisões no Reino Unido seguem um calendário e uma metodologia que por vezes são dificilmente compreensíveis", diz. "Mas temos uma belíssima relação e uma relação de confiança, com as informações de uns e de outros para que as decisões sejam baseadas em factos e não em possibilidades ou em medos."

Confio que o mesmo vai suceder agora e que as autoridades britânicas compreenderão que a evolução da pandemia em Portugal não suscita receios de maior", afirma o MNE.

A revisão da decisão britânica só poderá ser feita daqui a três semanas. 

Santos Silva sublinha que neste momento o Reino Unido considera que nenhum dos 27 países da União Europeia é seguro para viajar. "Se calhar o problema não está do lado dos 27 estados membros da União Europeia", diz o responsável português.

Disponível para dar explicações no Parlamento

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, já tinha dito esta sexta-feira que está “totalmente disponível” para ir ao Parlamento, respondendo a um pedido do PSD para prestar esclarecimentos sobre a retirada de Portugal da “lista verde” do Reino Unido.

“Vou com todo o gosto à Assembleia da República”, disse à Lusa o chefe da diplomacia portuguesa.

O ministro diz que apenas espera receber o pedido formal do Parlamento, depois de o PSD ter requerido, com caráter de urgência, a sua presença para que dê esclarecimentos sobre a saída de Portugal da “lista verde” de destinos de viagens do Reino Unido, como medida de prevenção no combate à pandemia de covid-19.

Redação / MJC