"O CC sublinha que a candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa se insere nos projetos que PSD e CDS têm para, a partir daquele órgão de soberania, procurar recuperar o que em 4 de outubro (eleições legislativas) perderam."




"Nós conseguimos o máximo da convergência, que foi o máximo do compromisso, que assumimos com o PS, com a consciência de diferenças e até de divergências. Isto significará que, possivelmente, quando o PS avançar com medidas com as quais temos razões de fundo para discordar, discordaremos", disse o secretário-geral comunista, referindo-se ao texto "posição conjunta", que viabilizou o XXI Governo Constitucional, liderado pelo homólogo do PS, António Costa.