O PSD já reagiu às projeções que dão conta da derrota do partido nestas eleições legislativas. David Justino, vice-presidente do PSD, saudou o PS "pela vitória que as projeções anunciam", mas deixou um aviso.

"Quero começar por saudar o PS pela vitória que estas projeções anunciam. Nesse sentido, da parte do PSD existe o reconhecimento factual quase, relativamente às quatro projeções divulgadas nos permitem concluir. Gostaria de chamar a atenção que o excesso de triunfalismo poderá ser pouco avisado", afirmou no púlpito da sala num hotel em Lisboa.

Numa declaração que demorou a acontecer, David Justino afirmou ainda que "o resto da noite" irá "ajudar quanto aquilo que será o resultado final".

"Nesse sentido, penso que o resto da noite ainda nos vai esclarecer e ajudar quanto aquilo que será o resultado final. As margens ainda são muito grandes, mas isso não põe de parte o reconhecimento da vitória.

E garantiu que o PSD não cairá em figuras "pouco ridículas".

"Isto é uma noite em que geralmente todos ganham. Nós não queremos assumir essa figura que às vezes se torna um pouco ridícula. Se perdermos, perdemos. Reconhecendo que as projeções apontam para uma vitória do PS, só tenho que felicitar e desejar que possam serviam o país como nós gostaríamos de servir da mesma maneira", acrescentou.

Cerca de uma hora depois, Morais Sarmento, presidente do Conselho Estratégico Nacional" afirmou que os resultados não dão conta de nenhuma "vitória ou derrota histórica".

“Quem ganha as eleições é o PS, agora se me perguntam o que é que estes resultados que vamos conhecendo demonstram, demonstram uma tendência de bipolarização comparando com os resultados do início da pré-campanha. Há também uma entrada em cena de pequenos partidos e para isso vamos ter de esperar pelas últimas leituras dos grandes centros urbanos porque é aí que está muito concentrado o voto nestes pequenos partidos. Se há uma vitória do PS significa que não há uma vitória de nenhum dos outros partidos em termos absolutos. Agora, se olharmos aquele que é o resultado do PSD e às previsões que indicavam os 20% no início, há uma diferença muito grande que reforça esta ideia que se mantém um cenário centrado", afirmou, acrescentando que "não há nenhuma razão para ler os resultados de forma diferente” e que o partido terá um congresso brevemente.

Já o presidente do Conselho Nacional do PSD, Paulo Mota Pinto, afirmou que o partido está "reconfortado" com os resultados e que, “tendo em conta as expectativas”, o PSD poderá ter “uma muito boa votação”.

“O PSD, nas últimas semanas, recuperou a sua posição de partido de alternativa. O PSD está reconfortado com a votação que é possível ver até agora”

Já sobre se Rui Rio tem condições para continuar, Mota Pinto diz que a pergunta "nem sequer faz muito sentido".

“Claro que sim, a pergunta neste momento nem sequer faz muito sentido (…) Manifestamente sim, mas claro que ainda é cedo para uma leitura final, temos de ouvir o que o dr. Rui Rio terá a dizer”,.

As projeções da Pitagórica para a TVI dá conta que o PSD deverá ficar com 24,6% a 28,6% dos votos, elegendo 68 a 78 deputados (nas eleições de 2015, elegeu 89 deputados). Já o PS vence as eleições deste domingo, mas fica longe da maioria absoluta. Os socialistas deverão conseguir entre 34,5% e 38,5% dos votos, elegendo entre 100 a 112 deputados (nas eleições de 2015, elegeu 86 deputados) .

Andreia Miranda / Em atualização