O CDS-PP dedicou esta quarta-feira, no debate quinzenal, quase cinco minutos a questionar o primeiro-ministro, no parlamento, sobre questões de saúde, e desafiou, pela segunda vez em poucos meses, o Governo a admitir abrir a ADSE a todos os portugueses.

"O Governo equaciona ou não abrir o sistema da ADSE a todos os portugueses?", questionou a líder parlamentar, Cecília Meireles, dirigindo-se a António Costa no debate quinzenal, na Assembleia da República, em Lisboa, retomando uma proposta do partido para as legislativas de 06 de outubro.

Cecília Meireles deu vários números, de tempos de espera de cirurgias e citou um estudo de hoje, publicado no JN, segundo o qual são cada vez mais as pessoas de classes médias, média baixa e baixa a fazer seguros privados de saúde.

Quem consegue fazer sacrifícios para “pagar um seguro de saúde” consegue “ter cuidados de saúde” e “quem não consegue espera e desespera para aceder ao Serviço Nacional de Saúde (SNS)”, argumentou Cecília Meireles.

Relativamente à ADSE, António Costa respondeu que o Estado não contribui para este sistema de saúde da Administração Pública, e que a evolução que antecipa é que seja “mutualizada e que venha a ser gerida” por quem contribui, ou seja, os funcionários públicos.

Na resposta, Cecília Meireles concluiu que António Costa não respondeu ao desafio dos centristas.