"Prefiro sinceramente ser muito previsível do que regressar aos tempos da imprevisibilidade e da incerteza", disse Passos Coelho arrancando das bancadas da coligação um forte aplauso e fazendo alusão ao discurso já habitual de que foram ações socialistas que levaram à chegada da troika.


"todos os portugueses comemoram"

“Senhor primeiro-ministro, os apelos ao medo, os apelos à irracionalidade, os apelos à imponderabilidade é aquilo que os senhores querem fazer desta campanha eleitoral, não nos conseguiram levar para isso. Os senhores têm uma total indisponibilidade para um debate sério”, disse.


todos os portugueses vão ter médico de família

"Se é possível, cumprindo as regras, acabar com os cortes, com as medidas extraordinárias, pôr a economia a crescer mais depressa, ter o Estado a encaixar mais receita, ter mais emprego gerado com essas medidas, porque é tão estupido o Governo que lá está, que quer perder as eleições e não faz isso tudo?", questionou.




"Vejam bem, em meia dúzia de dias, o PS já prometeu baixar o IVA, baixar o IRS, baixar a Taxa Social Única, voltar às 35 horas, repor os feriados, subir o salário mínimo nacional, desfazer todas as reformas estruturais e, claro, lançar já as bases para o regresso de um novo programa de investimento público desenfreado. É isto que o PS tem dito ao país nos últimos dias", declarou.


aprovar “à socapa” um perdão fiscal