O porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza (PAN) admitiu hoje que o partido ficou "muito aquém" do que queria ter realizado nesta legislatura, por só ter um deputado, e que, por isso, fez o que pôde e não o que quis.

Nós ficámos muito aquém daquilo que queríamos nesta legislatura porque só temos um deputado. Nós não fizemos o que quisemos, fizemos o que pudemos", afirmou André Silva em entrevista à Antena 1.

Já no futuro, "tudo dependerá da forma que o PAN tenha", apontou o deputado, salientando ser "completamente diferente ter dois deputados ou três deputados, ou ter cinco ou seis deputados".

Por isso, continuou, "o que vai ditar aquilo que possam ser linhas vermelhas, ou a magnitude ou o alcance dessas linhas vermelhas, tem que ver com a força que o PAN pode ter".

Quanto a possíveis acordos com outros partidos na próxima legislatura, isso é um assunto que "estará nas mãos de quem vencer as eleições".

Aquilo que me parece, da leitura que vou fazendo de António Costa, é que António Costa não quer - isto não tem nada que ver com o PAN - António Costa não quer repetir a solução atual, não quer acordos escritos, e parece-me que quer fazer uma governação à vista ano a ano. É aquilo que me parece que António Costa se está a preparar para fazer", assinalou.

Questionado sobre se está disponível para aceitar essas condições, André Silva, referiu que "o PAN está disponível para encetar conversações no sentido de, caso o PAN seja fundamental para essa situação, para dar uma solução de estabilidade e governabilidade ao país".

Esta disponibilidade põe-se "se essa situação depender do PAN e se os portugueses assim o entenderem", notou o também cabeça de lista por Lisboa às eleições legislativas de 06 de outubro.

Ainda em entrevista à rádio pública, o porta-voz do mais recente partido a conseguir representação na Assembleia da República vincou que "o PAN nunca apoiará um Governo, sairá de qualquer solução for, em que as políticas agrícolas, por exemplo, se mantenham como estão".

"Não há uma única palavra relativamente à agricultura biológica, agricultura regenerativa, agricultura sustentável no programa do Partido Socialista", criticou.

Por isso, "o PAN não sustentará um Governo que continuará a olhar para a produção de alimentos como tem olhado", reforçou André Silva, notando que isso "é extremamente importante e fundamental" para o partido.

/ SL