O presidente do PSD Rui Rio garantiu esta sexta-feira que, “se continuar” à frente do partido, vai propor a saída de Lisboa de outros organismos públicos, dando como exemplos o IFADAP para o Alentejo ou IAPMEI para a zona norte.

À margem de uma ação de campanha em Sintra, Rio foi questionado sobre a aprovação na generalidade do projeto-lei do PSD para transferir o Tribunal Constitucional de Lisboa para Coimbra e reiterou temer que na votação final global o PS mude de votação.

“Não tem coragem de derrotar já o diploma por causa das eleições e vai derrotar a seguir”, anteviu, apelando ao PS e aos outros partidos que “tenham a frontalidade necessária” para serem coerentes com a defesa da descentralização.

Rio defendeu que, depois do TC, o mesmo deve ser feito com outros serviços e, instado a dar exemplos, apontou o caso do Instituto de Financiamento da Agricultura e Pescas (IFADAP) e do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação (IAPMEI).

Porque é que o IFADAP de apoio à agricultura está em Lisboa, para apoiar a agriculta em Lisboa, porque não há de estar no Alentejo? E todos sabemos que é no norte onde há mais empresas, porque não pode o IAPMEI estar em Braga, Famalicão ou Guimarães”, questionou.

Questionado se irá fazer propostas nesse sentido, Rio disse ser apenas “uma questão de tempo”.

“Quem me conhece e se olhar para o meu trajeto, não tenho dúvidas nenhumas que se eu continuar, é sim o IFADAP, é sim o IPAMEI. Sim, a tudo o que faça sentido, não do dia para a noite, mas é para fazer”, afirmou.

Agência Lusa / MJC