Marcelo Rebelo de Sousa foi o o candidato mais votado em todos os concelhos do país, com votações especialmente relevantes nos arquipélagos da Madeira (72,16%) e dos Açores (69,67%). Foi no concelho da Calheta, Madeira, que o atual Presidente teve o resultado mais expressivo: 79,14%.

Mas foi na freguesia da Ilha, concelho de Santana, Madeira, que conseguiu a maior percentagem de votos: 86,40%. Nesta freguesia, Marcelo obteve 108 votos, enquanto os outros candidatos, todos os juntos, tiveram apenas 17 votos.

O melhor resultado de Ana Gomes foi no Centro Histórico do Porto

O Porto foi o único distrito onde Ana Gomes ultrapassou a barreira dos 15% de votos. E foi precisamente no concelho do Porto que alcançou o seu resultado mais elevado: 20,08%, conseguindo também aqui a maior diferença percentual em relação a André Ventura (11 pontos percentuais). 

Foi no centro histórico do Porto, na união de freguesias de Cedofeita, Ildefonso, Sé, Miragaia, Nicolau e Vitória, que  Ana Gomes obteve a percentagem mais alta: 23,91%.

Apesar de ter ficado em segundo lugar a nível nacional, Ana Gomes só conseguiu o segundo lugar em 91 concelhos, mas foram concelhos populosos, como Porto e Lisboa, o que fez toda a diferença. No concelho de Lisboa, a ex-eurodeputada obteve 18,53%.

Mourão: a freguesia onde André Ventura ficou à frente

É verdade que Marcelo venceu em todos os concelhos do país, mas não venceu em todas as freguesias: no Alentejo, a freguesia de Mourão (concelho de Mourão, distrito de Évora) foi a única em que o atual Presidente foi ultrapassado por outro candidato. André Ventura foi aqui o mais votado com 37,07% dos votos, enquanto Rebelo de Sousa se ficou pelos 35,84%.

De resto, André Ventura foi o candidato que mais vezes ficou em segundo lugar: conseguiu-o em 204 concelhos, contra apenas 91 para Ana Gomes.

E foi no Alentejo que a sua votação foi mais expressiva. Em três concelhos obteve um resultado superior a 30%: em Mourão (Évora) teve 33,64%, em Monforte (Portalegre) chegou aos 31,41% e em Moura (Beja) obteve 30,85%.

O Alentejo ainda vota no PCP

Apesar de tudo, há tradições que se mantêm: foi no distrito de Beja que o candidato comunista obteve a sua melhor votação - 15,02%, que lhe valeu o terceiro lugar. 

João Ferreira foi o segundo mais votado em 13 concelhos, quase todos no Alentejo, e conseguiu a sua vitória mais expressiva no concelho de Avis (Portalegre) com 28,47%.

Mas foi na freguesia de Pias, no concelho de Serpa, que o candidato do PCP teve uma percentagem de votos mais elevada: 31,02%.

Marisa Matias teve o seu melhor resultado na terra onde cresceu 

Com uma votação bastante abaixo da que teve há cinco anos, Marisa Matias conseguiu o seu melhor resultado no distrito de Coimbra: 5,48%. 

Aqui, foi no concelho de Condeixa a Nova, que teve a maior votação (9,02%), mais especificamente na união de freguesias de Vila Seca e Benedita, onde se situa a aldeia de Alcouce, a sua terra natal.

Nesta freguesia a candidata do Bloco de Esquerda ficou em segundo lugar, com 28,24% dos votos.

Tiago Mayan: o candidato da Foz e da Estrela

Sem surpresa, o candidato da Iniciativa Liberal obteve os seus melhores resultados nas regiões urbanas do Porto e Lisboa. 

No concelho do Porto, Mayan obteve 8,12%, ficando em quarto lugar e conseguindo mesmo ficar em segundo lugar na união de freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde: teve 15,95% dos votos.

No concelho de Lisboa Tiago Mayan teve 6,45%, o que lhe valeu também o quarto lugar, conseguindo o seu melhor resultado na freguesia da Estrela, com 11,22%.

Rans já não é de Tino

Vitorino Silva não venceu em casa mas foi em Rans, freguesia do concelho de Penafiel, distrito do Porto, que teve o seu melhor resultado nestas eleições: 41,98% - com apenas menos 20 votos do que Marcelo Rebelo de Sousa. Este segundo lugar na sua terra natal deve ter sabido a derrota para o candidato que há cinco anos tinha vencido em Rans com 60,93% dos votos.

Ainda assim, Vitorino Silva ficou em segundo lugar no concelho de Penafiel, com 13,89%.

Maria João Caetano