"É bom para o país que todos os partidos possam participar na governação, se o problema fosse esse estava feliz e satisfeito, mas a maneira como isto aconteceu está a ser artificial e tenho dúvidas que 40 anos de divergências profundas entre o PS e os partidos à sua esquerda possam desaparecer de um dia para outro", disse em declarações à Lusa.


"Os interesses eleitorais são diferentes e vão criar enormes tensões. Se esta tentativa não subsistir, compromete a esquerda durante muitos anos e pode acontecer como resultado ter governos de direita durante muitos anos como aconteceu com o professor Cavaco Silva", salientou.






"Se houver depois algum problema na coligação de esquerda que sai do acordo, a maneira correta de resolver o problema é ir para eleições o mais rápido possível", concluiu.