Mais de uma centena de militantes assinam uma carta aberta enviada, esta quinta-feira, ao secretário-geral do PS, António Costa, pedindo-lhe que marque eleições primárias para a escolha dos candidatos a deputados às eleições legislativas de outubro deste ano.

Caro camarada António Costa, em coerência com o compromisso por si assumido desde a campanha das eleições primárias, realizadas em setembro de 2014, que o conduziram à liderança do Partido Socialista, aguardamos que desencadeie o mais rapidamente possível e em tempo útil, os procedimentos necessários à convocação de eleições primárias abertas à base social de apoio do partido, para a escolha dos candidatos a deputados às próximas Eleições Legislativas, ao abrigo do artigo 68.º dos Estatutos (Eleições Primárias), aprovados por sua proposta, no último Congresso Nacional”, é referido na missiva, a que a Lusa teve acesso.

Cento e sete militantes, inscritos em várias Federações do PS, de Norte a Sul do país, subscrevem a carta aberta “no uso dos direitos que os Estatutos lhe conferem”, formalizando as respetivas candidaturas a candidatos a deputados às eleições legislativas de 6 de outubro.

Entre os subscritores da carta aberta está Daniel Adrião, ex-candidato à liderança do PS, que obteve 4% dos votos nas diretas que perdeu para António Costa, no ano passado.

Estas candidaturas resultam da firme convicção de que o Partido Socialista sairá reforçado com a abertura de um amplo e participado processo de debate, que se traduza numa escolha verdadeiramente democrática, permitindo que seja a comunidade socialista a decidir quem são os socialistas que considera serem os mais qualificados e preparados para integrar as listas do PS e, consequentemente, virem a merecer a confiança dos eleitores para os servir como deputados à Assembleia da República”, lê-se na missiva.

Num momento em que a classe política nacional “padece de um enorme descrédito e os cidadãos se afastam cada vez mais da atividade político-partidária, fragilizando com isso as instituições democráticas”, os subscritores da carta entendem que “urge devolver a palavra àqueles a quem as decisões se destinam e pôr um ponto final nas escolhas feitas em circuito fechado e entre núcleos restritos de dirigentes”.

Informamos, ainda, que os militantes abaixo-assinados, na sua qualidade de candidatos a candidatos e/ou defensores da realização de primárias abertas para a escolha dos candidatos a titulares de cargos políticos do partido, darão início a um conjunto de ações de contacto com militantes e simpatizantes socialistas e eleitores do PS, com o objetivo de darem a conhecer as suas ideias e promoverem as respetivas candidaturas”, é ainda referido na carta.