O cabeça de lista do PSD às europeias, Paulo Rangel, afirmou, esta sexta-feira, que “há uma mordaça no PS”, aproveitando a presença, mas em silêncio, do anterior número um socialista Francisco Assis numa iniciativa na campanha socialista.

No último almoço-comício da campanha para as europeias, que reuniu cerca de 800 pessoas em Vila Verde (Braga), uma das maiores concelhias do PSD, Paulo Rangel defendeu que no domingo “há uma alternativa, uma escolha positiva” a fazer.

Ainda ontem [quinta-feira] nós vimos que tentaram silenciar, e silenciaram, Francisco Assis, que foi a Matosinhos, mas ficou calado impávido e sereno, porque eles não o deixaram falar, apesar de ser o 'número um' da lista europeia anterior. Porque há uma mordaça no PS para toda a gente: só fala uma pessoa e essa pessoa é António Costa”, apontou.

O eurodeputado pediu nas eleições europeias também uma avaliação nacional da política do Governo, dizendo que será uma oportunidade para “desmentir e desautorizar António Costa”.

Vamos também dizer ao António Costa que não aceitamos a política do PS, que não vamos no canto da sereia. Contas certas com políticas erradas não nos levam a lado nenhum”, afirmou, repetindo as críticas de que a governação está baseada em “impostos máximos e serviços públicos mínimos”.

Antes, o número três da lista e presidente da distrital de Braga, José Manuel Fernandes, agradeceu a mobilização em Vilaverde, que disse ir para lá da fronteira do PSD.

Deixem-me cumprimentar os que não sendo sociais-democratas estão aqui. Já cumprimentei hoje socialistas e pessoas do CDS-PP: esta é uma candidatura que vai para além dos limites da social-democracia”, defendeu o eurodeputado que, a jogar ‘em casa’, se emocionou no final do discurso.

O ex-líder parlamentar do PSD e líder da concelhia de Braga, Hugo Soares, marcou hoje pela segunda vez presença na campanha de Paulo Rangel, depois de também ter estado no domingo no jantar da Quinta da Malafaia (Esposende, Braga), naquela que foi a maior mobilização da campanha social-democrata, num recinto com cerca de 2.500 pessoas.

Também o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, e o mandatário nacional, Carlos Moedas, que na quinta-feira acompanharam a caravana em Lisboa, se juntaram hoje ao almoço no Minho, onde ficaram na mesa de honra, ao contrário de Hugo Soares.