"Qualquer governo que não queira obedecer ao senhor Schauble tem de estar preparado para o BCE não fechar a banca ou o senhor Schauble dar um pontapé para fora do euro"

"É a única forma de romper com a austeridade... Senão pode bem acabar com um programa não de rompimento da austeridade, mas com o que o senhor Schäuble decidir para o país", reforçou.





"Austeridade como moeda única não serve. Austeridade significa que os filhos vão viver sempre pior que os pais, que os netos vão viver sempre pior do que os avós e que Portugal é um repositório de mão de obra barata".


"Reestruturação da dívida não chega"




"A reestruturação da dívida permitirá travar a transferência de riqueza com o estrangeiro, mas em Portugal não passa só pela relação com os especuladores, mas pela melhor distribuição de rendimento no país"


"Situação grega é impossível, não vale a pena defender o indefensável"







Leia também:

Catarina Martins explica "leque salarial" e recusa "sangria" no BE