Um dos objetos que José Pacheco Pereira guarda no seu arquivo e que merece especial destaque é um chapéu de "labrego", que vem da expressão galega que significa "camponês".

Este chapéu de palha é, de alguma forma, especial para Pacheco Pereira, uma vez que é o tipo de chapéus outrora muito utilizados por Paulo Portas, durante as célebres visitas às feiras. Umas vezes eram bonés, quando se tratava de visitas latifundiárias; outras vezes eram chapéus de palha, em visitas às feiras.

Ora, José Pacheco Pereira revela que um dia pediu a Paulo Portas para ficar com um dos seus chapéus de labrego, para o arquivo Ephemera, e o então líder centrista acedeu. No entanto, o historiador nunca o recebeu e aproveitou para relembrar o pedido, tantos anos depois.

De notar ainda, na extensa coleção do Ephemera, a evolução dos chapéus nas ações de campanha: se no tempo de Portas eram os tais chapéus de labrego (ou de palha), entretanto evoluíram para bonés e, mais recentemente, os "panameras".