O Presidente da República visitou esta segunda-feira uma escola básica em Lisboa em sinal de apoio à retoma do ensino presencial como "peça essencial no processo de abertura", que disse esperar que não seja de "avanços e recuos".

Uma semana depois da reabertura de creches, jardins de infância e escolas do primeiro ciclo, Marcelo Rebelo de Sousa esteve cerca de duas horas na Escola Básica Parque Silva Porto, em Benfica, que tem ensino bilingue de alunos surdos.

Segundo o chefe de Estado, esta visita "quer significar a importância do ensino presencial, do convívio presencial" e "para isso foi escolhida uma escola, um agrupamento escolar muito especial", que "é um exemplo de integração a todos os níveis e também de afirmação do papel da escola".

A escola tem um papel essencial. Foi bem escolhido da parte do Governo - e teve o apoio do Presidente da República - o ser a escola uma peça essencial no processo de abertura", afirmou aos jornalistas.

Marcelo Rebelo de Sousa participou em trabalhos de artes plásticas, numa aula de percussão com alunos surdos e assistiu sentado entre as crianças à Hora do Conto com língua gestual, no final da qual um rapaz lhe perguntou: "Por que é que tu fechaste as lojas?".

Estão quase a abrir. A algumas já se pode ir comprar, mas qualquer dia já podem abrir mais, depois das férias da Páscoa já abrem mais", respondeu o Presidente da República.

Em declarações à comunicação social, o chefe de Estado quis deixar "uma palavra de esperança" em relação ao processo de desconfinamento e manifestou o desejo de que "seja possível depois da Páscoa ir abrindo de acordo com o calendário já conhecido as escolas de todo o país, e a atividade social, comunitária, económica de todo o país".

Para isso é fundamental que os portugueses, quer no período que se avizinha da Páscoa, quer depois, com a abertura progressiva, compreendam a importância do passo que está a ser dado. Todos nós queremos que seja um passo o mais definitivo possível, que não seja um avanço para um recuo, porque já tivemos a experiência de avanços e recuos", acrescentou.

/ AG