«Queremos participar nas eleições. A forma como o iremos fazer será decidida na conferência. O projeto passa por um programa mínimo, de forma a alterar estruturalmente a democracia portuguesa. A corrupção é incompatível com um sistema democrático. A defesa dos serviços públicos e uma economia discutida e decidida pelas pessoas e não o contrário são outros eixos fundamentais, em vez deste regime sequestrado por uma pequena elite».